A festa foi boa e a alegria em acompanhar os desfiles de alta costura de outono e inverno 2022/2023 foi maior ainda, tanto que algumas marcas decoraram suas apresentações com balões coloridos como foi o caso da grife Giambattista Valli ou com a elegância dos balões prateados como a label Chanel.
As vibrações também estavam nas alturas e algumas produções vistas na ocasião exalaram sensualidade extra como no desfile da marca Schiaparelli, onde os seios das modelos ganharam destaque e foram cirandados por recortes ou protegidos por flores de tecidos ou por armaduras feitas de arame.
A grife não fez questão de economizar nos tecidos e trabalhou no feitio de franzidos, dobras e matelassês, assim como destacou as cinturas femininas através de corseletes estruturados com barbatanas e feitos a partir de cetins.
Já Giambattista Valli reafirmou sua proposta maximalista, com laços enormes, mangas bufantes, saias mullets, camadas de tules e texturas construídas a partir de plumas e cristais. Destaque para os óculos de sol statement com lentes gigantes e pedrarias.
Enquanto isso, a opereta fashion alcançou o nível máximo de dramaticidade com a apresentação da marca Stéphane Rolland através de capas bordadas, caudas, véus, luvas de cetim, golas acolchoadas ou nas alturas, decotes frontais vertiginosos, maxi braceletes, brincos e colares, botas over the knees, bem como detalhes fantasiosos posicionados nas costas de suas criações.
No caminho inverso, a grife Dior apresentou uma coleção artesanal com bordados feitos com fios de algodão e fios de seda, além de peças trançadas com retalhos de bronze, saias feitas de fitas, caxemiras feitas manualmente, rendas guipure e a releitura da jaqueta bar (peça com silhueta arquitetônica, cintura e ombros marcados, lateral que acentua os quadris e gola aberta).
Sem dúvida alguma, a curiosidade do desfile da Dior recaiu sobre as saias com palas largas, casacos adamascados, peças feitas de jacquard, assim como o uso indiscriminado da neutralidade e de tons terrosos.
A Chanel também assumiu a discrição como meta nesta temporada e apresentou ao público uma coleção repleta de saias lápis, saias mídi, saias contendo pregas macho, saias com cintura alongada ou com abertura sereia, além de pantalonas, calças retas, casacos com bolsos frontais, golas de padre e sobretudos de tweed. Desta vez, a sua noiva veio a bordo de um tomara-que-caia branco com saia godê, bolsos faca, xale bordado e laço na cabeça.
Paralelamente, a marca Patou sinalizou em quais teclas de moda ela irá bater nas próximas estações e uma delas será a exposição de zíperes dourados, no desfile de calças e shorts com cós alto, no uso de bonés, no casamento de meias pretas com sapatos coloridos, na circulação de botas de cano médio e de correntes segurando medalhões.
Já Giorgio Armani compôs sua partitura fashion com calças cenoura, túnicas, jaquetas secas, babados e balonês posicionados nas cinturas, o uso de saias em cima de calças, vestidos líquidos, além de peças inspiradas nos tempos da brilhantina, outras com ombros únicos ou feitas com paetês e franjas soltas. Para arrematar, pequenas boinas posicionadas lateralmente nas cabeças.
E a label Balenciaga, hein? Riscou o espaço com produções dignas de tapetes vermelhos construídas com saias armadas, vestidos com decotes princesa, bordados, caudas, luvas batendo as axilas, peças com estética grega, feitas de neoprene, assim como modelos curtos e assimétricos.
A participação da marca Jean Paul Gautier na semana de moda francesa aconteceu através da parceria com o estilista e diretor criativo Olivier Rousteing, da Balmain, e respirou ares futuristas, num misto da animação “Os Jetsons” com o filme “Jornada nas Estrelas”, pois mostrou ombros pontiagudos e arredondados, peças metalizadas, capas usadas em parceria com shorts, vestidos estruturados, saias arrastando o chão, peças feitas a partir de fitas, zíperes adornando bermudas ciclistas e blazers, além de braceletes, gargantilhas africanas e plataformas de aço.
A ópera fashion contou com outros dois dias de apresentações, entretanto o que foi perceptível durante os primeiros atos foi que os estilistas participantes estavam inspirados quando criaram suas novas coleções e felizes pela semana de moda ter acontecido 100% presencial.

Maria Oxigenada
Foto: reprodução