Que ela é virada no Jiraya, isso ninguém discute! Outro fato que é indiscutível é que Jennifer Lopez canta e dança como gente grande. Ela também atua no mercado cinematográfico como produtora e intérprete e é conhecida no meio por protagonizar dezenas de comédias românticas, filmes açucarados e musicais.
No entanto, no documentário “Halftime” o espectador acompanha dois momentos distintos da artista, ou seja, a sua preparação para a apresentação durante o intervalo do Super Bowl, de 2020, e as suas expectativas em relação a ser ou não uma das indicadas ao Oscar do mesmo ano pela sua participação no filme “As Golpistas”.
“Halftime” também está recheado de imagens de diferentes fases da vida de J.Lo, especialmente no início de sua carreira como dançarina. Na ocasião, ela presta uma homenagem à atriz porto-riquenha Rita Moreno, protagonista do musical “Amor, Sublime Amor”, e ganhadora de uma estatueta dourada no ano de 1962.
Jennifer Lopez estampou várias capas de revistas de fofocas e tablóides, pois sua vida privada e seus relacionamentos amorosos renderam diversas matérias. Algumas dessas publicações não pouparam a artista e a descascaram publicamente por ostentar um corpo curvilíneo e um popozão avantajado.
O interessante do documentário é observar que ela sempre colocou para jogo o seu corpicho através de decotes e fendas generosas, assim como vestidos justos, curtos e o uso de brilho, além de peças de alfaiataria e de sport wear. Tenho certeza de que uma das lembranças fashion mais marcante que vocês têm a respeito de J.Lo é a sua circulação a bordo do famoso vestido verde, de Versace, na cerimônia do Grammy Awards, de 2000. Não é?
Agora, no documentário a gente observa a preferência da atriz/cantora/dançarina pelos conjuntos de moletom, por roupas de ginástica e por peças confortáveis durante os ensaios, além de seus esforços em continuar desafiando seu corpo através de novas coreografias, de treinos de força e resistência e do aprendizado de outras modalidades como pole dance.
Sem dúvida alguma, o acessório mais fashionista visto na obra foi sua garrafinha de suco/água cravejada de strass. Fancy! E o que dizer da relação próxima que J.Lo tem com seus filhos? Ela já subiu no palco com Emme, sua filha, no evento esportivo citado no segundo parágrafo deste texto e, recentemente, repetiu o dueto durante a apresentação no Los Angeles Dodgers Foundation Blue Diamond Gala.
E apesar de Jennifer Lopez dizer que não curte política, ela tem consciência de que é uma voz representativa dentro da comunidade latina e de seu país, tanto que foi escolhida para cantar na posse do Presidente americano Joe Biden, em 2021, e sempre mostrou solidariedade às vítimas de xenofobia, racismo e outros preconceitos.
Nos últimos meses, a atenção da mídia se voltou novamente para ela porque a gata reatou seu noivado com o ator Ben Affleck e desta vez o galã a presenteou com um anel de diamante verde, de 8,5 quilates, avaliado entre US$ 5 e 10 milhões. Outra razão que envolveu o casal em burburinhos diz respeito a um acordo pré-nupcial assinado pelos bonitos que conta com uma cláusula inusitada e que obriga ambos a participarem de uma maratona semanal entre os lençóis, há, há, há…
“Halftime” mostra quão multifacetada Jennifer Lopez é e como ela pode ser durona, exigente, perfeccionista e profissional com quem a rodeia e se dispõe a trabalhar conjuntamente. Que o diga Shakira, Claudia Leite, Pitbull e tantas outras pessoas e artistas que cruzaram seu caminho, né!?
Eu indico o documentário para os fãs de J.Lo, para as Oxigenadas que gostam de acompanhar o cotidiano de seus ídolos e para quem tá precisando de uma injeção de ânimo para correr atrás de seus sonhos ou para ter um dose extra de resiliência.
Beijos,

Maria Oxigenada
Foto: reprodução