O reality show “Escola de Chocolate”, da Netflix, chegou em bom momento, pois o clima natalino já se faz presente e nessa época do ano nós estamos em busca de diversão açucarada, né!?
Os puristas apostam em panetones, biscoitos de gengibre, petit fours, bolos de nozes ou amêndoas e outras sobremesas tradicionais para abrilhantar a data festiva, mas não podemos nos esquecer daqueles que não dispensam o chocolate em qualquer época do ano, seja em barra, no formato de trufas, bombons, pães de mel, sorvetes, mousses, ovos de Páscoa ou outras delicias feitas a partir do cacau.
A atração é alternativa aos filmes com temática natalina e é apresentada pelo chef francês Amaury Guichon. Ao longo de oito episódios, o profissional ensina aos participantes à arte de esculpir o chocolate e alguns truques para deixa-lo realista, delicado e original. Dentre os segredos revelados estão: a criação de dobraduras, dobradiças terrosas, bem como cúpulas de açúcar, além de peças brilhantes, coloridas, suspensas ou que transpareçam ilusões de ótica.
Os desafios são muitos para o time de confeiteiros formado por Amanda, Cedrick, Daniel, Melissa, Stephanie, Thiago e Tyricia, mas o interessante é que ninguém é eliminado ao final de cada capítulo e todos caminham juntos até a reta final do programa, tendo a oportunidade de acompanhar as aulas do chef Amaury Guichon, treinar com a autoridade no assunto e entregar o seu melhor a cada desafio proposto pela produção.
O ganhador abocanhará US$ 50 mil para iniciar seu próprio negócio, além da chance de ministrar uma aula na Academia de Pastelaria Amaury Guichon, localizada em Las Vegas, e ainda ser patrocinado durante a principal competição de esculturas de chocolate que acontece anualmente no país.
Por tudo isso, a briga fica acirrada entre os participantes e como em todo reality show há os bons competidores que jogam limpo e entraram no programa com a intenção de evoluir profissionalmente e se divertir e há outros que não titubeiam em puxar o tapete alheio e conquistar o prêmio final a qualquer custo.
Outro ponto positivo da atração é que durante os episódios o espectador acompanha não somente os desafios propostos pelo chef em relação à criação de ousadas esculturas, mas também tem a chance de observar como os participantes trabalham em equipe e quais são as qualidades e requisitos necessários para se tornar um líder dentro da cozinha.
A primeira temporada de “Escola de Chocolate” pode ser degustada de uma única vez ou em um único final de semana, pois os episódios não ultrapassam 1 hora de duração e são gostosos de serem vistos.
Confesso que fiquei de cara com as esculturas apresentadas no reality show e que estavam anos luz a frente das vistas no Museu do Chocolate, localizado em Gramado. E ainda tem gente que afirma que cozinhar não é um trabalho artístico, que requer criatividade, técnica e obstinação. Sabe de nada, inocente!
Para quem deseja satisfazer o olhar com delícias gastronômicas, então “Escola de Chocolate” é a minha dica para finalizar 2021 de maneira saborosa e delicada!
Beijos,

Maria Oxigenada
Foto e video: reproduções