Já não era sem tempo de um tapete vermelho ser estendido para a nossa Rainha do Rock, né!? Na verdade, um tapete rosa com estrelas impressas foi colocado na entrada do Museu da Imagem e do Som (MIS) para que seus visitantes pudessem iniciar a aventura através da exposição “Samsung Rock Exhibition Rita Lee”, desfilando pelo capacho e tirando as fotos desejadas.
Ocupando dois andares do local e com 18 áreas temáticas distintas, a exposição é a oportunidade para quem é fã da artista conhecer a trajetória percorrido por ela, desde a sua infância e adolescência vividas na Vila Mariana até sua despedida oficial dos palcos, ocorrida alguns anos atrás.
No entanto, a artista não aposentou completamente seus microfones e a caneta, pois continua costurando palavras, compondo novas músicas em parceria com seu marido Roberto de Carvalho e escrevendo livros infantis. Nos últimos tempos, ela lançou: “Dr. Alex”, “Dr. Alex na Amazônia”, “Dr. Alex e o Phantom”, “Dr. Alex e os Reis de Angra, “Storynhas”, “Amiga Ursa”, entre outros que abordam temáticas ecológicas e de preservação de espécies de animais.
Agora, a imersão na vida e obra de Rita Lee é feita através do contato dos visitantes com suas anotações feitas à mão, fotografias, vídeos, desenhos, figurinos, peças de roupas usadas em ocasiões especiais como seu próprio casamento, além de entrevistas, capas de discos, objetos decorativos ou de valor sentimental para a cantora, compositora e escritora. Destaque para a sala contendo os seus instrumentos musicais, especialmente a sua primeira bateria, presente de seu pai, e o piano pertencente a sua mãe.
A espiadinha dada nas lembranças e no trabalho desenvolvido pela artista ao longo de 50 anos não para por aí e a “Ovelha Negra” mais conhecida do Brasil ainda faz algumas confissões, relevando ao público quando adotou o ruivo como sua marca registrada.
Para quem desconhece tal passagem, suas madeixas foram pintadas pela primeira vez durante uma viagem que Rita fez para Londres, no início da década de 70, e que foi marcada por outras lembranças inesquecíveis para a artista. Fiquem tranquilas porque não darei spoilers!
O melhor da exposição é que Rita Lee abriu um canal de comunicação com seus fãs e deixou por lá uma caixa transparente para o depósito de recados ou pequenas cartas destinadas a ela. Esses bilhetes serão, futuramente, entregues à Rita Lee para a leitura.
Importante também dizer que a ambiência é outro fator bem trabalhado pelos organizadores e curadores da exposição porque além da questão estética, da boa distribuição dos objetos e histórias pelas salas, o espaço também foi preenchido por uma trilha sonora construída com as músicas e composições de da própria artista, envolvendo ainda mais quem flana através delas.
“Samsung Rock Exhibition Rita Lee” é um programa para ser feito em qualquer dia da semana e eu o indico para quem curte ouvir rock, bossa nova, funk, axé, sertanejo, arrocha, rap, entre tantos outros gêneros musicais existentes na atualidade. Além disso, essa é uma oportunidade de sermos tocados por narrativas sensíveis e por nomes que compõem nossa cena artística como é o caso da cantora, compositora e escritora Rita Lee.
Eu amei!
Maria Oxigenada

Serviço:
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS), localizado na Av. Europa, 158.
Até quando: 28 de novembro de 2021.
Horário: de terça a domingo, das 10h às 18h.
Preço: R$ 50,00 (inteira), R$ 25,00 (meia-entrada), sendo que as manhãs de terça a sexta são gratuitas nos horários iniciais (10h, 10h30, 11h e 11h30)
Foto: reprodução