A semana de moda americana (NYFW) assoprou para nós algumas tendências fashionistas, especialmente a que evidencia o lado lúdico do cotidiano e a necessidade do descolamento da realidade atual na intenção de mantermos a sanidade mental durante as próximas estações e neste finzinho de pandemia.
O primeiro sopro que atingiu os presentes foi suave e através das cores adocicadas vistas. No entanto, rajadas mais fortes também foram sentidas com o desfile de cores alegres, fortes e pertencentes a mesma cartela.
A marca Moschino fez questão de disparar o fofurômetro, criando redemoinhos no entorno de personagens infantis, além de mostrar uma coleção repleta de peças estampadas com a temática, bem como patchwork e volumes construídos a partir de recortes feitos nos tecidos. Destaque para a maxi manga feita a partir do recorte da trompa de um elefante, para as madeixas trançadas com miçangas e para o duo formado pelo uso de shorts ou saias com blazers.
O sopro da estética casulo visto nas semanas de moda internacionais passadas e que remetia a necessidade de permanecermos protegidas em ambientes domésticos, agora foi percebido através da exploração de estampas de cogumelos. Grifes como Brandon Maxwell, Rodarte, Monse e Stella McCartney propuseram novas aventuras com o uso da print do momento.
Outras formas de subverter a realidade foram vistas durante a semana de moda americana, especialmente através das maquiagens ostentadas pelos modelos na ocasião. Cores intensas, assim como a presença de figuras abstratas, além de pálpebras vibrantes e lábios emoldurados por batons fluorescentes dialogaram com produções construídas com peças de cetim natural, paetês, sedas, lamês, malhas trançadas com fios reluzentes e lurex.
Destaque para a maquiagem vista no desfile da Rodarte e que utilizou os rostos das modelos como telas brancas para receber as cores de entardeceres, além das listras zebradas e de referências aos seres de outros planetas.
E falando em ET´s, o que foi a participação da celebridade Kim Kardashian no baile de gala do Met (Metropolitan Museum of Art), outro evento ocorrido em terras americanas na última semana? A bonita ostentou máscara balaclava,
aquela que cobre todo o rosto e não deixa nem os zóios à mostra. Só foi possível identificá-la atrás do look total black depois de muito observar as suas curvas características.
Outro mascarado no evento foi o ator, modelo e skatista Evan Mock. No entanto, sua proteção facial estava mais para uma réplica da máscara usada pelo “Homem Aranha”, personagem de histórias em quadrinho, do que para qualquer outro escudo facial.
O baile também riscou para as câmeras quais são os modismos do momento e que compreendem o uso indiscriminado de denim, inclusive em eventos sociais, bem como as transparências, as capas, o acúmulo de tecidos em lugares estratégicos das produções, além das fendas e decotes vertiginosos, das caudas, das plumas, dos bordados estravagantes e de camisetas com mensagens reivindicando equidade de gêneros.
E a pergunta que ficou ao término do vendaval americano foi: será que a semana de moda inglesa que está acontecendo na capital inglesa será atingida pelas mesmas correntes fashionistas ou outros sopros de moda irão despontar durante a semana?
Veremos…

Maria Oxigenada