Os Jogos Paralímpicos continuam rolando, mas eu confesso que já estou sonhando com as Olimpíadas de Paris. Imaginem o cenário? E a facilidade em deslocar-se pela cidade com transporte público? Agora, pensem que algumas disputas irão acontecer próximas aos principais pontos turísticos da capital francesa? E que em 2024 o público marcará presença no evento.
Imaginaram o enredo?
E a grande novidade é que outras modalidades esportivas além do surf, do skate, da escalada irão incrementar as Olimpíadas de Paris como o break dance. Dança de rua criada na década de 70 e que faz parte da cultura hip hop, ela desembarcou no Brasil na década de 80 e hoje conta com representantes em batalhas mundiais.
Ao som de break beat, vertente da música eletrônica, ou do estilo house ou trap, subgênero do rap, os Bboys e as Bgirls, como são chamados os adeptos da atividade, fazem acrobacias, rodopios no solo, além de poses estilosas nos intervalos dessas, bem como passos que misturam funk, samba, capoeira e até jazz. Mestiçagem completa, hein!?
No entanto, antes de ir para o chão, chão, chão, eles fazem um esquenta com passos preparatórios em pé chamados toprock para somente depois arrasarem com piruetas e outras estripulias no solo. Agora, o ponto alto das disputas são os freezes, ou seja, as paradinhas feitas por dançarinos em posições interessantes, intensas ou que demandam equilíbrio e domínio completo do corpo.
Já o uniforme usado pelas minas adeptas da modalidade é construído com moletons, jeans, macacões, shorts, calças de gancho baixo, agasalhos esportivos, além de sobreposições, camisetas curtas e que colocam os seus tanquinhos para jogo, bem como tênis e boné, ou seja, por peças de street wear.
Assim como aconteceu nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, realizado em Buenos Aires (Argentina), os rachas franceses provavelmente irão ocorrer no formato de duelo, ou seja, um mano contra outro mano ou mina contra mina.
A boa notícia é que ainda faltam três anos para a realização das Olimpíadas de Paris, tempo suficiente para o preparo físico e psicológico da galera interessada em participar de competições futuras, mas para as Oxigenadas que desejam desde já seguir os passos de alguns esportistas e coletivos, então a sugestão é visitar as redes sociais dos dançarinos: @fabgirl_bsbgirls, @brasilstylebgirls, @dropeducation, @bboypelezinho, @bboybart_, entre outros.
Para quem não sabe, o break dance é uma atividade aeróbica que pode ser praticada em praças, parques e nas ruas das cidades, mas atualmente ela também está sendo oferecida na grade de atividades de algumas academias de grande porte, pois é um ótimo estímulo físico e mental, além de ser mais uma maneira de trabalharmos o empoderamento feminino através da dança.
Essa próxima aventura eu não perco por nada! E vocês?

Maria Oxigenada
Foto: reprodução