O nosso trio de skatistas prateados formado por Rayssa Leal, Pedro Barros e Kelvin Holfler evidenciou a moda de rua e as peças usadas pelos praticantes desta modalidade olímpica.
Tanto os manos quanto as minas usam e abusam de peças oversized, das camisas xadrezes, dos moletons amarrados nas cinturas, além de camisetas largas, meias de cano alto de algodão, bem como os bonés e, é claro, os tênis de solado reto.
No entanto, as monas estão caindo de amores também pelas regatas soltas, cavadas e usadas com tops por baixo, pelos shorts destroyed ou com tachas aplicadas e pelas calças cargos que, aliás, compõe o uniforme dos adeptos da atividade. No entanto, em dias de temperaturas amenas elas também estão optando por fazer suas manobras a bordo de jeans mom, macacões e leggings casadas com camisas jeans.
Agora, o arremate fashion é feito com tocas de lã, bandanas, lenços amarrados nos pescoços, braceletes de couro ou de miçangas coloridas, pochetes, mochilas e óculos de sol e não com anéis, correntes, cordões, pulseiras e bolsas laterais que podem enroscar, enforcar e machucar durante a realização de flips, nose grid, boardslides, lipslides, entre outras estripulias.
Já as madeixas costumam estar livres, leves e soltas, mas vez ou outra elas aparecem domadas em tranças boxer ou presas em rabos e coques fofos localizados no alto das cabeças femininas.
Autenticidade e descontração são as principais ferramentas usadas na composição de produções modernas e looks despojados durante a prática desta modalidade esportiva que foi bem recebida durante as Olimpíadas de Tóquio e, provavelmente, conquistará novos adeptos, especialmente em países tropicais e cidades litorâneas que favorecem a circulação externa e a realização de passeios em parques ou à beira mar.
Foto: reprodução