As brisas da primavera e verão 2022 já começaram a soprar e elas escolheram criar redemoinhos junto a alguns pontos turísticos e de belezas arquitetônicas. A grife Louis Vuitton, por exemplo, apresentou sua coleção no Axe Majeur, obra de Dani Karavan, localizada nos arredores de Paris (França). Já a marca Dior mostrou as novidades direto do estádio Panatenaico, em Atenas (Grécia).
O destaque sentido pelo contato com a primeira fresca foi o trabalho realizado com as mangas e ombros, pois o estilista Nicolas Ghesquière, da Louis Vuitton, evidenciou a região com o uso de mangas bufantes, coletes com recortes nos ombros, bem como jaquetas com lapelas nas suas extremidades numa releitura a estética militar.
Outra referência ao militarismo pode ser vista com a presença de tubinhos e casacos com transpasse frontal e abotoamento feito com oito botões, mas as silhuetas arredondadas, arrematadas por fios e que remetem aos paraquedas também estiveram presentes no show de moda.
A passarela espelhada também refletiu leveza e alegria através de peças com plumas coloridas, metalizados, blazers com estampas multiculturais ou camisas assimétricas e tops feitos de tecidos finos, além de bolsas feitas de patchwork e minissaias vivas.
Destaque para os acessórios vistos na ocasião, especialmente os colares de correntes, os broches de laços metalizados, as botas de cano médio, os bonés, as bolsas hobo e os sapatos contendo asas de borboletas recortadas posicionadas nos peitos dos pés.
Já a apresentação da marca Dior proporcionou outro tipo de viagem, além da cósmica pensada por Nicolas Ghesquière e transportou os espectadores e fashionistas para próximo a beleza marmorizada do local e para rente aos jogos olímpicos.
E ela fez jus ao cenário e as deusas gregas, apresentando uma coleção de tonalidades claras e peças que remetiam às ninfas e a estética de Afrodite, deusa grega da beleza, com vestimentas fluidas compostas por ombros únicos, transparências, recortes, mangas drapeadas, segundas peles, pantalonas, bermudas de alfaiataria e franjas.
No entanto, as armaduras dos soldados gregos também foram representadas através do uso de espartilhos, coletes frontais, botas pesadas brancas, cintos metalizados dourados e braceletes usados nos dois braços. Destaque para o vestido trapézio com um soldado estampado.
Agora, o que chamou a atenção durante o desfile além dos maxi moletons coloridos, das poucas peças tingidas de azul ou amarelo e dos colares delicados de borboletas foram: o vestido de noiva que fechou a apresentação on-line e que era uma releitura do vestido de cisne usado pela cantora Bjork durante a cerimônia do Oscar de 2001 e de autoria do estilista macedônio Marjan Pejoski, assim como a maquiagem leve, fresh.
Uma orquestra sinfônica acompanhou os passos das modelos, além da cantoria feita por uma cantora lírica de cabelão ruivo solto e que chamou a atenção pela sua performance teatral. O desfile terminou com a explosão de fogos de artifício e com a permanência das chamas presentes numa alusão à tocha olímpica que já está queimando em Tóquio, no Japão.
Os dois eventos fashion comprovaram que as próximas estações serão como sopros inspiradores para quem deseja criar produções criativas e com o frescor visto nos meses mais alegres do ano.

Um beijo,

Maria Oxigenada
Foto e vídeos: reproduções