Só a arte nos salva! Duvido muito que vocês não tenham imaginado durante esta pandemia o aparecimento de um personagem heroico do naipe de Robin Hood para surrupiar dos ricos e dar aos pobres e necessitados? Confesso que eu fiz isso inúmeras vezes, especialmente diante de cenas comoventes vistas nos noticiários diários de pessoas passando fome e formando filas para conseguir doações de alimentos.
A peça “O incansável Dom Quixote” conta com outro herói conhecido dos amantes de literatura chamado Dom Quixote e que também tem a pretensão de mudar o mundo e a realidade de quem o rodeia.
Baseada na obra de Miguel de Cervantes chamada de “Dom Quixote de La Mancha”, de 1615, o monólogo faz uma sátira às antigas novelas de cavalarias e aos roteiros construídos em cima da religiosidade exacerbada, do valor da honra, da coragem e paixão do protagonista, pois evidencia outros aspectos do personagem principal, tais como: sua fragilidade mental, suas derrotas pessoais e os episódios em que foi ridicularizado em público.
Apesar disso, Dom Quixote podia contar com a companhia de seu fiel escudeiro Sancho Pança e com a ajuda de seu cavalo Rocinante, mas durante uma de suas aventuras ele também se depara com Maritornes, filha de um taberneiro, que o ajuda a recuperar sua saúde física.
A graça do espetáculo está justamente em acompanhar as confusões e desventuras do personagem porque a verdade é que ele sempre se dá mal! Especialmente no quesito amoroso, pois seu interesse romântico é pela camponesa Dulcinéia del Toboso, fruto somente de sua imaginação fértil.
O interessante de “O incansável Dom Quixote” é que ele é um monólogo dinâmico e encenado pelo ator Maksin Oliveira em sua própria casa. Para tanto, a produção do espetáculo improvisou um palco na parte externa da residência e utilizou as árvores e plantas existentes no local, bem como um carro estacionado e objetos pessoais do próprio artista como parte da cenografia da obra.
Outro fato relevante é que ao longo da peça, o ator Maksin Oliveira constrói um jogo cênico com os espectadores através da quebra da quarta parede, ou seja, da interação e direcionamento das falas do personagem para a plateia ou para quem o está assistindo naquele exato momento. Além disso, o artista desdobra-se sob os holofotes interpretando 10 personagens distintos e ora assume a faceta do narrador da história, ora de Sancho Pança e assim por diante e numa proposta de criar um show cênico com sua própria voz e corpo.
É claro que esta é uma abordagem contemporânea da obra de Cervantes com passagens lúdicas, bem-humoradas, poéticas e dramáticas e até por esse motivo ela exige um trabalho concentrado do ator em cena.
“O incansável Dom Quixote” é aquele exemplo de espetáculo divertido, que desanuvia no final de um dia de trabalho e que nos faz refletir a respeito dos heróis reais de hoje, quem eles são e o que estão fazendo para melhorar ou modificar a vida e a realidade de centenas de pessoas?
Eu gostei!
Maria Oxigenada
Serviço:
Onde assistir: através da página do Sesc no Youtube

Foto: reprodução