A previsão está confirmada! Enquanto outros países já estão celebrando a liberdade e a volta à circulação em espaços públicos, nós continuamos presos em nossas gaiolas e seguindo regras rígidas da quarentena. Fazer o que, né!?
Prova disso foram as últimas apresentações fashion que festejaram a nova condição com todo o glamour que o momento pede. No entanto, a marca Yves Saint Laurent foi além e mostrou um desfile encantador com locações que favoreciam a apreciação das paisagens pelos espectadores, pois as modelos desfilaram entre belezas naturais, tais como: geleiras, montanhas, faixas de areia, bem como próximas às cachoeiras e as ondas dos mares.
A confluência com a vibe festiva veio com o uso de bodies metalizados, plumas, paetês, brocados, casacos de peles falsas, correntes douradas, além brincos grandiosos de strass, sapatos com suas pontas metalizadas, chockers de camélias e cortininhas bordadas.
De minimalista, o show de moda só teve o comprimento de suas peças, pois as minissaias, os microshorts e as hot pants foram vistos em parceria com casaquinhos de tweed, blusas de lã, camisas de seda e laços derretidos, além de outras peças que movimentaram a apresentação pela presença de franjas.
A grife também acendeu os holofotes para o uso de bermudas de alfaiataria, coletes, para as botas enormes pretas com modelagem ampla nas coxas, para os xadrezes e para os vestidos com decotes vertiginosos ou no formato de pétalas.
Agora, quem levou ao pé da letra a proposta de balada foi a label Kenzo, pois sujeitou os modelos a dançarem ao som de músicas eletrônicas e em uma espécie de arena, ou seja, um espaço circular que possibilitava a filmagem e captação de imagens em 360 graus.
Outro fato que tremeu os alicerces da sua nova coleção foram as cores escolhidas para compô-la, pois as tonalidades acesas como o fluorescente foram vistas em macacões, moletons, jaquetas, meias e nos calçados com velcro.
Quanto às estampas, a que celebrou toda essa exaltação conjunta promovida pela marca foi a de taças e garrafas, mas listras, flores, correntes, xadrezes, além de prints de animais selvagens como os tigres e outros elementos pinçados de uma natureza bucólica alegraram fundos neutros de tecidos.
Peças esportivas dominaram à homenagem virtual ao estilista Kenzo, falecido no ano passado vítima de Covid, e alguns desses looks oversized foram finalizados com chapéus Bucket, com pochetes duplas, com tocas e gorros, além de sobretudos que lembravam cobertores, edredons e a máxima do aconchego doméstico.
Apesar disso, produções fashionistas também foram mostradas durante a festa on-line, como saias em camadas, vestidos de festa, blusas trapézios bordadas
e outras que ostentavam mangas japonesas ou simulavam a estética de quimonos orientais.
A verdade é que o baile pandêmico ainda está longe de acabar por aqui, mas algumas grifes internacionais estão levantando nosso astral e nos presenteando com desfiles e apresentações que deslumbram por um futuro carnavalesco, de encontros ou com momentos contemplativos para novas alvoradas e uma nova vida.
Beijos,
Maria Oxigenada

Foto e vídeos: reproduções