A temporada de desfiles acendeu os holofotes em cima das marcas francesas e estrangeiras e muitas delas brilharam através de apresentações virtuais e de fashion filmes rodados nas ruas da Cidade Luz, em um drive-thru, dentro de uma gráfica, nas maisons ou em estúdios.
O que foi percebido é que a semana de moda francesa possui similaridades com outras vistas recentemente como a italiana e americana, apresentando tendências já mostradas anteriormente. No entanto, ela também expôs aos espectadores novidades fashion que ainda não tinham recebido os flashes, as curtidas e comentários de fashionistas e jornalistas atuantes no meio. São elas:
– Vestidos trapézios:
A figura geométrica retornou com tudo e está sendo usada como inspiração nos cortes de vestidos. A principal diferença entre as peças desfiladas na década de 60 e hoje em dia é que atualmente os vestidos trapézios estão sendo vistos em cima de calças de tricô (Courreges), com babados nas barras (Patou) ou assimétricos e fofuchos (Loewe).
-Ponchos:
Outra peça solta além do vestido trapézio que também circulou pela semana de moda francesa foi o poncho. Lisos, listrados, feitos de lã ou couro, eles aqueceram as produções pontuais. Destaque para o poncho listrado usado por cima de jaqueta volumosa durante o desfile da Chloé.
– Sapatinhos de cristal:
As Cinderelas de 2021 calçam botas over the knees (Vivienne Westwood) e prateadas (Coperni), chinelos artesanais, botas revestidas internamente com peles falsas ou ankle boots (Loewe), além de sapatos masculinizados. Destaque para a parceria firmada entre o modelo Oxford e meias soquetes apresentada pela Paul Smith Design.
– Miss Sunshine:
As sedas naturais, os linhos puros, os lamês e lurex, além de alguns tipos de crepes brilham sem esforços, entretanto os paetês são tecidos mais exuberantes, exibidos e ganham disparados quando o assunto é espargir luz pelos ambientes em que estão circulando. Durante a Paris Fashion Week, eles surgiram em duas cores distintas e na combinação vermelho e rosa (Dries van Noten), em looks festivos (David Koma) ou recobrindo bodysuits como visto no show de Rick Owens Online.
– Pele à vista:
Vestidos e conjuntos vazados e que expõem à pele foram outros reincidentes no evento com potencial de ocupar o pódio da preferência feminina, especialmente em ocasiões festivas pós-pandemia como o conjunto vazado nas laterais da marca Courreges ou o vestido preto com círculos prateados da David Koma.
– Jeans:
A reciclagem de jeans não é novidade no mundinho da moda, tanto é verdade que a grife Chloé reutilizou o tecido na temporada atual e deu uma nova roupagem a ele. Já a grife Hermès apostou no jeans sem lavagem e a marca Dries van Noten foi quem trouxe para frente das câmeras uma das possíveis peças coringa do outono e inverno 2021: a saia longa jeans com abertura frontal.
– Pérolas:
As bolinhas cor de creme nunca saem de moda e desta vez elas apareceram exuberantes e em um colar grandioso no desfile da marca Jil Sander ou enfeitando sandálias como na apresentação da label Altuzarra.
– Acessórios:
As bolsas de lã com fios soltos da grife Chloé foram um dos acessórios que mais chamaram a atenção do público virtual. A marca Isabel Marant seguiu no mesmo trilho e exibiu bolsas de couro com franjas nas laterais.
Outros acessórios que estiveram presentes foram os óculos de sol grandiosos e os maxi-brincos da marca Courreges, além das meias ¾ ressuscitadas pela marca Patou.
Já a grife David Koma protegeu as mãos de suas modelos com luvas que terminavam antes do início dos pulsos, enquanto isso a marca Vivienne Westood investiu em luvas sem dedos.
A label Rick Owens Online intensificou os cuidados de suas consumidoras com o uso de máscaras diferentonas e a marca Loewe veio com gravatas diminutas e com uma variedade imensa de bolsas, inclusive com estampa psicodélica para aquela Oxigenada que deseja brilhar em qualquer hora do dia ou da noite

Foto e vídeos: reproduções