O vai e vem do plano de abertura em São Paulo me propiciou entrar na fase verde das séries televisivas e assistir as que estão em destaque nas plataformas digitais. “Amor ocasional”, por exemplo, não é novidade por lá e nem para mim porque a primeira temporada foi lançada em 2018 e a segunda em 2019 e eu já tinha conferido ambas, mas o que descobri recentemente foi que o elenco gravou um episódio extra durante a pandemia chamado “O plano de confinamento” com o intuito de marcar a obra no tempo e espaço.
Perdida na história? Relaxa! A narrativa de “Amor Ocasional” acompanha as aventuras amorosas de Elsa (Zita Hanrot) depois que ela terminou o namoro com Maxime (Guillaume Labbé). Após dois anos arrastando correntes, suas melhores amigas Charlotte (Sabrina Ouazami) e Emilie (Joséphine Drai) resolvem contratar um garoto de programa para elevar sua autoestima e tirá-la da lama.
O que elas não contavam era que Elsa e Jules (Marc Ruchmann) se apaixonassem um pelo outro e resolvessem assumir o relacionamento diante de amigos e conhecidos.
A graça da primeira temporada está justamente nas confusões surgidas a partir da descoberta da verdade de quem é seu atual companheiro e do questionamento da protagonista em relação aos preconceitos enraizados, às suas amizades e a respeito do amor.
Já a segunda temporada começa com a personagem principal fingindo retornar de uma viagem de quatro meses passados em Buenos Aires (Argentina), onde sua intenção foi curar as novas cicatrizes surgidas em seu coração. Nesta temporada, Elsa também precisa administrar seu retorno ao trabalho e a necessidade de desenvolver um projeto em parceria com o seu ex.
Paralelamente, o espectador acompanha o desenrolar das subtramas existentes na obra como as inseguranças de Emilie em relação à maternidade e ao casamento com Antoine (Syrus Shahidi), bem como as aventuras vividas por Charlotte para iniciar seu próprio negócio e esconder seus encontros amorosos com Matthieu (Tom Dingler).
O interessante da série é que ela discute as fraquezas humanas, os medos, defeitos e inseguranças de todos os personagens presentes. Agora, no episódio extra isso tudo é levado ao extremo e nós podemos acompanhar as loucuras de cada um durante o confinamento como a neura por limpeza doméstica e higiene pessoal, a queda paulatina do entusiasmo por estar o tempo inteiro em casa, o preenchimento do cotidiano com novas atividades como a criação de tutoriais para as redes sociais, o acompanhamento de lives de atividades físicas ou a preocupação com os menos favorecidos economicamente; isso sem contar com a abstinência sexual que atingiu alguns dos personagens no período.
Os profissionais da área de saúde não foram esquecidos na obra e foi feita uma homenagem a eles através do personagem Antoine, pois ele é enfermeiro, está na linha de frente no combate ao Coronavírus no hospital em que trabalha e pela
sua boca nós ficamos sabendo o caos que estão as UTIs parisienses, bem como o cansaço e os dramas vividos pelos profissionais como ter que escolher entre um paciente e outro no momento da intubação ou na oferta de oxigênio.
O fato é que os assuntos tratados na série comungam com os desenvolvidos por programas humorísticos brasileiros como “O diário de um confinado”, protagonizado por Bruno Mazzeo, ou os vídeos e esquetes feitos pelo grupo Porta dos Fundos, além da terceira temporada do seriado “Sob Pressão”, estrelado pela atriz Marjorie Estiano e Júlio Andrade, e que é ambientada dentro de um pronto socorro carioca.
E como era de se esperar, o último episódio disponível para a visualização de “Amor Ocasional” cria gancho para o desenvolvimento de novos confrontos entre os personagens numa terceira temporada prevista para estrear ainda em 2021, pois o seu fechamento conta com a descoberta de mais uma apunhalada nas costas sofrida por Elsa. Vixi!
Para quem curte bater perna virtualmente pelas ruas de Paris e conhecer o estilo de vida e os diferentes lugares frequentados por nativos além dos pontos turísticos, então a minha sugestão é embarcar em “Amor Ocasional” e divertir-se com a narrativa leve, despretensiosa, enxuta e emocionante desenvolvida por ela.
Que venha a terceira temporada!

Maria Oxigenada
Foto e video: reproduções