Eu quase caí dura quando vi que as vitrines dos shoppings já estão enfeitadas para o Natal e que os Noéis estão arrecadando os pedidos das crianças através de encontros virtuais. Vocês acreditam nisso? A decoração e o clima natalino estão sendo construídos cada vez mais cedo, especialmente este ano em que os lojistas e comerciantes estão desesperados para vender e recuperar os prejuízos acumulados durante a pandemia.
E para começar a entrar no clima de final de ano, alguns novos filmes sobre a temática já foram lançados e estão disponíveis aos assinantes de plataformas digitais, tais como a Netflix, e um deles é a comédia romântica “Amor com data marcada”.
A história de Sloane (Emma Roberts) é batida e já foi vista anteriormente em outras películas. Ela é uma profissional bem sucedida que está passando pelo processo de luto após o término de um relacionamento. O problema é que o Natal está próximo e com ele vem aquela cobrança familiar de passar a ocasião acompanhada.
Parece piada, né!? Mas atire uma pedra quem nunca passou pelo constrangimento de ter um tiozão ou uma avó sem noção alguma perguntando no meio da ceia de Natal sobre sua vida pessoal ou sobre namorados do momento?
Para sentar e chorar…
Entretanto, Susan (Kristin Chenoweth), tia de Sloane, descobriu a fórmula para não ser o alvo da vez, apesar de ser vítima de comentários ferinos de toda a família, pois a cada feriado prolongado ela descola um gato para chamar de seu e sempre aparece acompanhada em almoços familiares e festas de confraternização.
Depois de esbarrar e discutir com Jackson (Luke Bracey) em uma loja de roupas após o Natal, Sloane propõe que ele seja seu ferigato ou o carinha que irá acompanhá-la na festa de Ano Novo e em outros feriados oficiais do próximo ano.
A única condição imposta entre eles é que sejam somente amigos e não desfrutem de uma amizade colorida ou um amor sem compromisso, como visto em outros filmes, mas o acordo firmado entre os dois abre espaço para boas risadas, diversão e trocas de confidências.
Ponto positivo para “Amor com data marcada” porque recai nos diálogos entre a dupla protagonista os melhores momentos da obra e as conversas entre Sloane e Jackson são afiadas, daquelas onde os dois estão com as munições engatilhadas e prontos para acioná-las a qualquer vacilo alheio, há, há, há…
Outro ganho é que a película conta com passagens bem humoradas, cenas de pura confusão e outras esdrúxulas, mas no decorrer de todos os feriados existentes no período de um ano elas acabam cansando o espectador pela repetição. Além disso, as tramas secundárias como a que envolve Abby (Jessica Capshaw), irmã de Sloane que está cansada da rotina de mulher casada e mãe de quatro filhos simplesmente não decola, assim como não gruda na memória do espectador o final dado para Elaine (Frances Fisher), mãe da personagem principal.
“Amor com data marcada” é uma obra repleta de clichês, mas é um filme leve, que pode ser visto em qualquer época do ano e que conta com atores com química diante das câmeras, especialmente Emma Roberts e Luke Bracey. Além disso, ela é uma oportunidade de desopilar durante as noites solitárias da pandemia e enquanto a correria de final do ano não começa de verdade.
Eu gostei.

Maria Oxigenada
Foto e vídeo: reproduções