Nem tanto! Eu não demorei 100 dias para conferir a primeira temporada da série “100 Dias para enamorarnos”, da Netflix. Na verdade, eu gastei apenas três finais de semana para assistir aos 50 primeiros episódios, pois as gravações da obra também foram interrompidas em março deste ano por causa da pandemia.
Ela tem aquele jeitão de novela mexicana com vários personagens falando alto e ao mesmo tempo, gesticulando bastante, sendo construídos com várias camadas, transformando-se em agentes de conflitos familiares e foi justamente isso o que mais me agradou e me fez devorá-la rapidamente.
No entanto, ela está ambientada na cidade de Hudson (USA) e seu elenco é formado por atores latinos ou hispânicos e isso acrescenta graça, familiaridade e identidade à obra, pois eles misturam falas em inglês e em espanhol.
O foco do enredo recai sobre um acordo assinado pelo casal protagonista formado por Constanza (Ilse Sala) e Plutarco (Erick Elias), onde eles têm 100 dias para arejar a relação e refletir sobre um futuro divórcio. Os dois estão casados há 18 anos, possuem dois filhos (Daniel e Martin), são sócios em um escritório de advocacia, amigos de juventude, mas estão em desarmonia no momento.
Paralelamente, a melhor amiga do casal Remédios (Mariana Treviño) também se afasta de seu marido Max (Andrés Almeida) depois de reencontrar seu amor de juventude e pai de sua filha Ale/Alex (Macarena Garcia).
Em um primeiro momento, as duas vão à forra, saem para beber, dançar e conhecer novas pessoas, inclusive através de aplicativos de encontros, mas não tarda a bater em suas portas a realidade e as responsabilidades de mães e profissionais. Com o time masculino acontece o mesmo e a euforia inicial da liberdade e dos encontros casuais cede espaço para a reflexão profunda a respeito de sentimentos e dos laços construídos ao longo dos anos.
Agora, o mais interessante da série não é acompanhar os desencontros desse quinteto fantástico, mas sim observar e divertir-se com as tramas secundárias que recheiam a obra, especialmente a metamorfose vivida por Ale, pois a personagem descobre-se como um garoto trans e todos ao seu entorno precisam aprender e informar-se sobre a temática para poder ajuda-lo em seu processo transformatório.
É evidente que elx é vitima de bullying na escola e não só por alguns colegas de classe, como também por parte da diretora e da representante de pais. O ambiente escolar também propicia que os autores da obra desenvolvam outros conflitos juvenis, tocando em temáticas relevantes de hoje como o comportamento abusivo e episódios de perseguição de ex-namorados através de redes sociais, bem como na descoberta de suas orientações sexuais e até obesidade infantil porque Martin (Gael Sánchez), caçula de Constanza e Plutarco, luta contra a balança e as tentações calóricas.
Já o riso rola solto quando ficamos diante do trio formado pela advogada Jimena (Sylvia Sáenz), Luiz (Héctor Gomis) e Aurora (Sofia Lama); tudo porque Luiz é aquele tipo de boy lixo que formou duas famílias distintas, uma em Hudson com Jimema e a filha do casal Susana (Isabella Sierra) e outra em Monterrey, no México, com Aurora e Nico. Uma não sabe da existência da outra e o processo de descoberta dos segredos é uma delicia para os espectadores, especialmente porque funciona como válvula de escape para tramas mais complexas.
Nesse núcleo, há a abordagem de outro assunto atual que é a presença e permanência de imigrantes ilegais nos Estados Unidos, pois Aurora e o filho Nico (Andrés Pirela) entram no país como turistas, mas precisam regularizar suas situações com o passar do tempo. Além disso, em um dos episódios dessa primeira temporada também é falado sobre xenofobia e o ódio manifestado por alguns americanos em relação aos estrangeiros, especialmente os latinos.
Por tudo o que foi dito, vocês perceberam que o caldo de “100 Dias para enamorarnos” é espesso, saboroso, com alguma picância e pitadas de realidades identificáveis por nós, brasileiros, além de outros ingredientes que deveriam fazer parte de qualquer boa receita, ou melhor, boa narrativa ficcional.
Eu gostei e estou na expectativa para a segunda temporada!

Maria Oxigenada
Foto e video: reproduções