Não para, não para, nunca! Durante esta quarentena está acontecendo uma atrás da outra e a previsão é que não haja fim para tantos acontecimentos inesperados. E eu nem estou me referindo à esfera nacional que, diga-se de passagem, está queimando no âmbito da saúde, da politica, do social, de segurança pública e tantos outros setores.
Os incêndios a que me refiro dizem respeito ao ambiente domestico mesmo e aos fatos que tem ocorridos dentro da minha própria casa e envolvendo os membros da minha família. Alguns deles são provocados pelo Almondega, enquanto que outros por animais que surgem inesperadamente na calada da noite.
Essa madrugada, por exemplo, nós fomos atacados inesperadamente por animais noturnos, ou melhor, por um único gatuno. O telefone fixo e residencial tocou as 5h10 da manhã e como meu quarto era o mais próximo do aparelho, pulei da cama assustada, imaginando o pior e que tivesse acontecido algo grave com o Fê ou seu pai.
Que nada! Vocês acreditam que era um filho da mãe passando trote neste horário, choramingando e dizendo que tinha sido vítima de um sequestro relâmpago e que eu precisava fazer um deposito ou uma transferência para a conta do bandido. Mereço!
Como eu ainda estava sonolenta, demorei alguns segundos até compreender por completo a situação e desprezar o contato fora de hora. Antes disso, eu desfiei meu arsenal de farpas ao vira latas, questionando-o a respeito de sua fantasia atual e se esta continha uma capa feita de lixo porque era exatamente isso que combinava com ele naquele instante…
Eu falei anteriormente para o papai sobre a necessidade de mudarmos o número ou cortarmos nosso telefone fixo porque a maioria das ligações feitas são trotes ou pessoas tentando dar golpes envolvendo cartões clonados, compras ou empréstimos não realizados em nome dos meus avós.
Os funcionários da área de telemarketing de empresas que já nos azucrinaram por anos a fio pararam com suas bocas nervosas depois que foi feito o bloqueio do número na página do Procon (Programa de Proteção e Defesa ao Consumidor), mas agora estamos na mira de pessoas de má fé, especialmente durante essa pandemia.
O pior é que diferente dos telefones celulares que identificam os números que estão chamando, nos telefones com fios isso não acontece e nós acabamos nos locomovendo até os aparelhos para atendermos as ligações. Agora, vocês imaginam o aumento do vai e vem que acontecerá a partir do próximo mês
quando o auxilio emergencial oferecido pelo governo federal diminuir seu valor? Eu nem quero.
Talvez a solução para o problema seja comprar uma bina ou qualquer outra ferramenta tecnológica que identifique não somente o histórico de números, mas a origem das chamadas para que possamos fazer um boletim de ocorrências ou adotarmos ações concretas contra isso.
A vontade mesmo foi de dar um nó cego no p* daquele idiota e testar sua capacidade de resiliência e vontade de continuar passando mensagens ruidosas, inventadas e completamente distorcidas das esperadas por todos nós na atualidade.
Por ora, nós vamos deixar o aparelho de telefone fixo desplugado da tomada durante toda a noite para que possamos dormir em paz e sem a interferência e a construção de uma corrente intolerável de oportunistas com motivações múltiplas, negativas e fraudulentas de hoje.
Transmitam somente amor, Oxigenadas!
E até o nosso próximo contato,

Maria Oxigenada
Foto: reprodução