Quanta criatividade, minha gente! Para muitos, o isolamento social liberou alguns demônios presos. Já para outros, a quarentena tem servido como gatilho para encontrar soluções criativas para problemas e também para comemorar datas importantes.
Ontem, o marido da Rita, minha vizinha, colocou fogo no parquinho, ou melhor, agitou a vizinhança com a presença de um carro de mensagens ao vivo e declarou em alto bom som o seu amor por ela.
Os dois estavam comemorando aniversário de casamento e a data não poderia passar no silêncio, né!? Para isso, ele resolveu sacar de toda a cafonice que o telegrama falado conjuga para impressionar sua esposa e marcar as lembranças da dupla.
Confesso que eu já estava deitada e entrando em alfa quando ouvi o estacionamento de um carro próximo e o patinar do Almondega correndo em direção ao portão frontal.
Na sequencia, ouvi um ruído agudo de um microfone sendo ligado e trocas de palavras soltas na calçada. De repente, alguém começou a chamar o nome da Rita, informando-a da chegada de um correio elegante para ela.
Confesso que eu grudei no teto como uma gata assustada e ouvi meu pai se levantar e checar o que estava acontecendo. Então, saltei da minha cama, vesti minha pantufa de coelho e o segui sorrateiramente até a entrada de casa.
Quando me aproximei do portão aberto, percebi que o circo estava com sua tenda completamente montada e com alguns vizinhos assistindo ao show de suas janelas.
O envio da mensagem durou alguns minutos, mas ela foi finalizada com uma pequena seresta composta com algumas músicas românticas e outros hinos dos casais apaixonados, tais como: “Evidências”, de José Augusto, “Como é grande o meu amor por você”, do rei Roberto Carlos, além de “Carinhoso”, do Pixinguinha, “Modinha”, do Taiguara, “Boa Noite, Amor”, de Francisco Alves, e a música “Rosa”, de Marisa Monte.
Quando olhei para o lado, vi a Rita com seus olhos inundados de lagrimas, com uma de suas mãos repousada no peito e a outra agarrada no braço de seu marido e exalando alegria por todos os poros de seu corpo.
E não é que a inciativa surtiu efeito positivo também nos demais moradores da rua, pois na manhã seguinte a aventura foi a mais comentada entre os grupos de whatts, ganhando elogios, especialmente pela gentileza no compartilhamento da ocasião com todos nós.
Pensando por esse lado, essa quarentena está ressignificando práticas e percepções sobre nós mesmos e sobre os outros. Espero que esses momentos vividos conjuntamente possam fortalecer ainda mais relações de amizades e amorosas porque não tá fácil para ninguém!
E entre uma loucurinha e outra de amor, nós seguimos firmes e fortes por 2020, ano que está exigindo muita resiliência, criatividade, flexibilidade e delicadeza na maneira como nos relacionamos e reabastecemos nossas agendas de eventos sociais.
Beijos,

Maria Oxigenada
Foto: reprodução