O riso anda rolando solto por aqui! Também pudera, né! Papai preso dentro de casa é só invencionice! E esta semana ele propôs cortar o seu próprio cabelo depois de ter sofrido por dias com episódios de bullying doméstico.
A verdade é que ele estava parecendo com o Bozo, palhaço americano de cabelos de fogo e careca branca que divertiu os brasileiros, especialmente as crianças à frente de um programa diário veiculado pelo SBT durante a década de 80.
Sem querer, eu soltei a pérola durante o café da manhã e ela pegou imediatamente e por vários dias seguidos alguém da família o cumprimentava referindo-se ao personagem exótico…
Aos poucos, o sorriso largo do papai foi cedendo espaço para uma expressão facial séria e preocupada até que ele resolveu agir e foi até o hipermercado mais próximo comprar uma máquina de aparar a barba e os cabelos.
O problema é que ele chegou sedento para cortar suas madeixas e não quis dar ouvidos às instruções do vovô. Não preciso nem dizer que deu m*, pois logo de cara ele abriu um buraco, ou melhor, uma trincheira na lateral direita de sua cabeça.
O pior foi que ele quase repetiu o erro do lado esquerdo. Sua sorte foi que mamãe estava passando pela porta do banheiro bem na horinha, previu o desastre e deu uma voadora na intenção de segurar as mãos nervosas do “bonito”, há, há, há…
Ela o colocou sentado em uma cadeira e de costas para o espelho, trocou a lâmina de número 2 por outra de número 4 e terminou o serviço calmamente. E que serviço, Oxigenadas!? A vantagem é que os cabelos do papai crescem rapidamente e em poucos dias ele precisará aparar novamente, especialmente porque um lado ficou bem diferente do outro e está pesando sua imagem.
O melhor é que papai foi de um visu caricato e digno de personagem de HQ para outro com pegada punk, pois a primeira talhada o transportou para a década de 80 e a estética do período que incluía a adoção de um corte chamado sidecut e que até voltou a ser visto em cabeças femininas mais descoladas atualmente.
Só espero que ele não me venha com a ideia de riscar as laterais de sua cabeça como fazem alguns jogadores de futebol ou skatistas ou mesmo fique tentado em aplicar tinturas coloridas e que fogem por completo de seu tom natural porque, aí sim, ele ficará cara e crachá do Bozo e não poderá reclamar das brincadeiras feitas por todos nós.
E como mamãe estava com a mão na massa, ela também aparou as madeixas de seus pais, optando pela troca de ferramenta de trabalho e cortando seus cabelos com a boa e velha tesoura.
Vi seus olhos crescerem para cima de minhas oxigenadas madeixas, mas imediatamente a podei com palavras sensatas, trazendo-a a razão e a realidade. Eu, hein! Não entrego meus cabelos nas mãos da mamãe nem por US$ 1milhão! Não sou louca, nem nada!
Por ora, estou fazendo um esforço descomunal para controlar a minha boca nervosa e não dar chance para que a galera aqui de casa caia matando em cima de mim com comentários ferinos e referentes às minhas bochechas fermentadas que começaram a crescer durante a quarentena e que seguem o mesmo caminho das ostentadas por Fofão, outro personagem fictício dos anos 80, que teve seu próprio programa infantil e fez a alegria de muitos altinhos com entradas aparentes ou carecas de hoje em dia.
Eu, hein! Tô fora!
Até a próxima aventura,
Maria Oxigenada
Foto: reprodução